segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Imagina-me Distante

Eu espero viver entre sombras e luzes
Chorar sem ninguém me observar
Pareço igual a muitos para mentes que nada significam
E não vejo em mim o que poucos dignificam

Tardes sem nuvens, sem chuva
O frio quase congela o coração
Noites seguintes que, intensivamente,
Tentam perdurar as minhas esperanças em vão

Uma vela perto da minha face
Cega a minha visão no teu desenlace
Quero gritar mas para ninguém me ouvir
Quero libertar tudo dentro de mim antes de cair

Vou alimentar a minha alma com raios de luz
São os meus desejos impertinentes
E já foram as mágoas de outrora
Encaminhadas para o que nunca imaginei conseguir

Posso abrir o meu sentimento a quem me rodeia
Não o farei sem sofrimento
Sem estar distante

Ricardo Rodrigues
29-10-2012

1 comentário:

  1. já tinha saudades de ler os teus poemas em português... lindo!

    ResponderEliminar